Author Archives: Webmaster

DOPPLER COLORIDO E ESPECTRAL GERAL

Através deste exame, é possível avaliar se o sangue está passando bem através de uma veia ou de uma artéria ou se existe algum problema.


COMO É REALIZADO

O exame de Doppler Colorido utiliza o mesmo aparelho de ultrassonografia (ecografia) geral, porém é programado pelo médico, na hora do exame, para gerar imagens coloridas que servem para avaliar o fluxo do sangue nos vasos de diversos órgãos bem como nos vasos das pernas, dos braços e do pescoço.

O exame poderá ser realizado com o paciente deitado, sentado ou em pé, dependendo do vaso que se deseja avaliar.

Este exame, como qualquer outro de diagnóstico por imagem, após ser realizado, precisa ser cuidadosamente analisando por um médico especialista, o que demanda tempo e atenção. Portanto, lembre-se que nem sempre a liberação de um laudo e de um exame imediatamente após sua realização é sinônimo de qualidade e precisão, duas coisas que devem ser primordiais no cuidado de nossa saúde.

ECOCARDIOGRAFIA

COMO É REALIZADO

O exame de ecocardiografia é um exame de ultrassonografia (ecografia) do coração. Pode ser realizado de duas maneiras: via transtorácica e via transesofágica. No exame transtorácico, o transdutor é posicionado na região anterior do tórax formando imagens do coração e permitindo a avaliação pelo médico especialista.

Já no exame feito por via transesofágica, a pessoa precisa “engolir” uma pequena sonda (como nos exames de endoscopia) para que um pequeno transdutor que fica na ponta desta sonda fique posicionado no esôfago, bem próximo ao coração, permitindo a formação de imagens de maior definição. Este método é um pouco mais desconfortável do que por via transtorácica, porém proporciona imagens mais detalhadas de algumas partes do coração, permitindo mais precisão em alguns diagnósticos específicos.

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DE ALTO CAMPO

A ressonância magnética utiliza a interação das ondas de rádio (semelhantes às ondas das rádios de AM e FM), e o magnetismo para gerar imagens de alta precisão de praticamente todas as partes do corpo.


COMO É REALIZADO

Em praticamente todos os exames de ressonância magnética é necessário utilizar outro “aparelho” que é posicionado junto ao local que será avaliado, chamado de bobina. As bobinas permitem a captação do sinal gerado pelo aparelho e são, na grande maioria das vezes, indispensáveis para realização dos exames.

Em alguns casos, é necessário utilizar contraste na veia (gadolínio) que, como qualquer medicação, pode causar alergias e tem contra-indicações, sendo que a necessidade de uso deve ser sempre avaliada por um médico radiologista.

Como o paciente fica exposto a um campo magnético extremamente potente, este exame não pode ser realizado em pessoas que possuam marca-passo, alguns tipos de clipes cirúrgicos de aneurismas, implantes auditivos fixos, dentre outros, devido ao risco destes dispositivos pararem de funcionar ou por sofrerem algum deslocamento. Assim, todo equipamento eletrônico de uso médico e qualquer cirurgia deverá sempre ser informado no momento da marcação do exame, no serviço de Diagnóstico por Imagem.

Nestes casos, o médico que está solicitando o exame também deverá sempre ser informado, assim como o técnico e o médico do local onde o exame será realizado, para que sejam avaliadas as possíveis contra-indicações.

A ressonância magnética é um exame que pode ser realizado em pacientes grávidas, especialmente após a segunda metade da gestação, devendo-se evitar a avaliação no primeiro trimestre, bem como não deve ser utilizado contraste na veia, sendo que a indicação deverá sempre ser avaliada em conjunto pelo médico solicitante e pelo médico radiologista.

Este exame, como qualquer outro de Diagnóstico por Imagem, após ser realizado, precisa ser cuidadosamente analisando por um médico especialista.

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA MULITISLICE

A Tomografia computadorizada é realizada em aparelhos que emitem radiação e que irá formar imagens axiais como finos “cortes” da região avaliada.


COMO É REALIZADO

Este exame é realizado em aparelho de tomografia computadorizada de múltiplos detectores, sendo que, quanto maior o numero de detectores reais do equipamento, melhor será a qualidade das imagens, especialmente em exames cardíacos e vasculares. Também há a necessidade de um menor volume de contraste endovenoso, nos casos da angiotomografias, pois a avaliação é muito rápida, podendo em alguns exames ser de apenas 4 segundos. Em alguns equipamentos modernos há uma redução na dose de radiação, podendo ser de até 75%.

Dependendo da necessidade de avaliação e da suspeita clínica, o exame de tomografia computadorizada poderá ser realizado sem ou com contraste endovenoso. Quando é realizado com contraste, este é a base de iodo, sendo injetado em veia periférica. Dependendo do tipo de avaliação, como nas angiotomografias, este contraste deverá ser injetado com grande velocidade (cerca de 5mL por segundo) e sempre de maneira homogênea, sendo que, para isto, deve-se obrigatoriamente utilizar uma bomba injetora, que injeta o contraste de maneira precisa e segura.

Após realizado o exame, que não demora mais do que alguns minutos (ou até mesmo segundos, dependendo do local que está sendo examinado), as imagens obtidas são processadas em um computador especial, permitindo diversas reconstruções em múltiplos planos, imagens tridimensionais (3D) e imagens como colonoscopia virtual e broncoscopia virtual.

Este exame, como qualquer outro de diagnóstico por imagem, após ser realizado, precisa ser cuidadosamente analisando por um médico especialista.

ECOGRAFIA GERAL

Ultrassonografia e ecografia são termos diferentes utilizados para o mesmo exame (são a mesma coisa).


COMO É REALIZADO

Este exame é realizado em um aparelho especial que utiliza um transdutor para gerar imagens com alta definição de diversas partes do corpo (sendo que a qualidade do exame depende diretamente da qualidade do aparelho que é utilizado). Além disso, ele precisa ser realizado por um médico com boa experiência, pois é analisado em tempo real, ou seja, toda a avaliação é feita durante o próprio exame (as imagens que são impressas neste exame são, na grande maioria das vezes, somente ilustrativas).

Este método não utiliza radiação e, portanto, é muito útil no acompanhamento de mulheres grávidas. Contudo, ele também serve para avaliação de outras partes do corpo como os órgãos internos do abdome, os músculos, os tendões e alguns ligamentos, o útero, os ovários, a tireóide, as glândulas salivares e até mesmo o cérebro de crianças recém nascidas. Ele poderá ser realizado com o paciente deitado, sentado ou em pé, dependendo do tipo do exame e do local a ser examinado.

A ultrassonografia não funciona, contudo, onde houver ar, ou seja, não é um método muito bom para avaliar o intestino, o estômago, o pulmão ou qualquer outro que contiver ar. Além disso, sempre que houver um órgão contendo ar (ex.: intestino) localizado entre o transdutor e a estrutura que se deseja avaliar, a mesma não poderá ser identificada com precisão. Por isso que é muito importante a realização do jejum no caso do abdome, pois precisamos tentar reduzir a quantidade de ar no intestino para melhorar a qualidade do exame. Em alguns casos, a bexiga também precisará estar cheia no momento da avaliação.

A ultrassonografia também não funciona através dos ossos, ou seja, não é o método ideal para avaliar fraturas ou outras alterações ósseas. Além disso, os ossos impedem a avaliação dos órgãos que se encontram atrás deles.

Nos exames de ultrassonografia, também é necessário utilizar um gel na pele. Este gel tem a função de eliminar a mínima quantidade de ar que fica nos poros e nas dobras da pele, além de permitir que o transdutor deslize com maior facilidade. Ele é feito a base de água e não causa alergia nem manchas nas roupas.

Este exame, como qualquer outro de diagnóstico por imagem, após ser realizado, precisa ser cuidadosamente analisado por um médico especialista, o que demanda tempo e atenção. Portanto, lembre-se que nem sempre a liberação de um laudo e de um exame imediatamente após sua realização é sinônimo de qualidade e precisão, duas coisas que devem ser primordiais no cuidado de nossa saúde.

MAMOGRAFIA DIGITAL

A mamografia é, atualmente, o principal exame para a detecção do câncer de mama.


COMO É REALIZADO

Existem disponíveis dois tipos de exames de mamografia: a analógica e a digital. Na mamografia analógica, após a realização do exame, o filme precisa ser revelado em uma máquina especial para depois ser analisado por um médico especialista. Já na mamografia digital, após a realização do exame, a imagem é passada diretamente para um computador onde já poderá ser analisada. Em termos de qualidade a mamografia digital tem se mostrado com melhor qualidade, mas este exame deve ser bem realizado com técnica adequada e analisado por um médico radiologista com boa experiência na área.

Para a realização da mamografia a pessoa é posicionada na máquina de exames e sua mama é comprimida entre duas chapas de acrílico.

Não existe maneira de se fazer o exame sem a compressão e, caso ela não seja feita de maneira adequada, o exame não terá boa qualidade, independente se for o sistema analógico ou o sistema digital. A quantidade que cada mama precisa ser comprimida é pré-programada nos aparelhos e já vem regulada da fábrica, atendendo normas de qualidade exigidas por órgãos internacionais, ou seja, não depende exclusivamente da maneira que o técnico realiza (se ela não for feita adequadamente, pode não gerar uma imagem de boa qualidade, prejudicando a avaliação do médico radiologista, fazendo com que lesões menores possam passar despercebidas). Assim, não há como realizar o exame sem a compressão.

Normalmente são realizadas quatro incidências (duas em cada mama), porém, às vezes, é preciso utilizar algumas incidências especiais, além das quatro rotineiras que servirão para avaliar alguns detalhes específicos. Estas incidências devem ser sempre realizadas de acordo com a solicitação do médico que irá avaliar o exame.

Quem tem próteses mamárias (silicone) há mais de seis meses, pode e deve realizar a avaliação mamográfica nos períodos de rotina (em condições normais, não há risco de a prótese romper durante a compressão). Não se aconselha, contudo, a realização deste exame nos primeiros seis meses após a cirurgia, devido ao risco de “abrir” os pontos cirúrgicos internos da mama quando for feita a compressão. Infelizmente, quem tem prótese mamária nunca terá uma avaliação com a mesma precisão de quem não tem, pois a prótese “esconde” uma boa parte do tecido mamário no exame de mamografia. Nestes casos, para tentar aumentar a qualidade do exame, aconselha-se realizar sempre a incidência de Eklund (além das quatro normais), onde as próteses são deslocadas posteriormente durante a realização do exame para que o tecido mamário fique mais evidente na imagem. Esta manobra também não impõe nenhum risco para a prótese, porém sua realização pode ser um pouco mais desconfortável do que as incidências convencionais.

Quem está amamentando também pode realizar o exame de mamografia sem nenhum problema ou risco para a criança.

Sugerimos que o exame seja realizado sempre no período pós-menstrual, pois é quando a mama está menos sensível e a compressão fica menos desconfortável.
Quem tem mamas pequenas, quase sempre têm maior sensibilidade durante a compressão, porém, como já foi explicado anteriormente, não há maneira de realizar o exame com qualidade sem compressão.
Nunca utilizar desodorantes que contenham talco no dia anterior e, principalmente, no dia do exame, pois o talco pode simular alteração maligna e confundir o médico que irá analisá-lo.

Por utilizar radiação, este exame não poderá ser realizado em mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez, exceto em casos especiais, quando o médico tiver uma forte suspeita de que possa haver um câncer na mama e a avaliação por outros métodos como a ultrassonografia (ecografia) e a ressonância magnética não tenha sido suficiente.
Este exame, como qualquer outro de diagnóstico por imagem, após ser realizado, precisa ser cuidadosamente analisando por um médico especialista, o que demanda tempo e atenção. Portanto, lembre-se que nem sempre a liberação de um laudo e de um exame imediatamente após sua realização é sinônimo de qualidade e precisão, duas coisas que devem ser primordiais no cuidado de nossa saúde.